Ranking 2010 - a análise

24.1.11


O ranking de ontem foi uma verdadeira surpresa. Embora tenha sido divulgado praticamente no início do ano, foi engraçado ter coincidido com o registo da Leyonce, que tanta indignação levantou nas caixas de comentários dos jornais.

Hoje, com mais tempo e de forma mais lúcida, vou tecer algumas considerações sobre o ranking dos nomes femininos:


  • Maria é, como se esperava, o nome mais usado nas meninas. Já não é de hoje, mas o nome ganhou a sua independência e deixou de ser usado exclusivamente como primeiro ou segundo nome, sendo escolhido frequentemente como único nome. Mas convém não esquecer que é praticamente o único nome que combina na perfeição com os dois segundos nomes do ranking (Leonor e Beatriz) e isso ajuda-o a subir ainda mais; 

  • Leonor chegou ao segundo lugar. Quando há uns dias promovi uma votação que opunha Beatriz a Leonor, a coisa andou ela por ela, Leonor chegou a estar à frente mas acabou por perder por nove votos. O nome já era popular em Portugal antes do nascimento da princesa de Espanha, mas obviamente que este facto ajudou a consolida-lo. É um nome bonito, e espero que ajude a reavivar Eleonor e Eleonora. 

  • Beatriz estará finalmente a entrar em declínio? Acho muito cedo para o afirmar, principalmente porque não nos é dada nenhuma indicação do número de bebés correspondente a cada nome. Posso estar enganada, mas acho que a diferença face a Leonor não deve ser muito significativa. É um nome lindo e único, merece estar no top, mas confesso que gostaria de o ver a dar uns trambolhões na popularidade brevemente. 

  • Matilde sempre foi o elo mais fraco da santíssima trindade dos nomes da moda portugueses mas, uma vez mais, sem dados mais concretos, posso estar a ser injusta. De qualquer forma, também não surpreende ninguém, pois não?

  • Poderia escrever para Ana quase tudo o que escrevi para Maria, excepto que seja um nome muito usado de forma singular. Todas as Anas que eu conheço têm nomes compostos. Sei que há pessoas que só se chamam Ana, mas temos de admitir que é raro. Será que daqui por 10 anos acontecerá o mesmo fenómeno que aconteceu com Maria e o nome vai ganhar asas? É um nome de que gosto muito: tem três letras e, simbolicamente, o número 3 é muito especial; é um palíndromo (preserva o mesmo significado mesmo quando lido de trás para a frente) e, para finalizar, é um nome muito delicado. 

  • Mariana está de pedra e cal na lista de nomes mais usados, tal como em 2008. Não causa grande estranheza, principalmente se pensarmos que é a combinação dos números 1 e 5 do ranking. 

  • E a grande surpresa deste ranking é, sem dúvida, Lara. E estamos com sorte, porque a jornalista diz-nos o número exacto de Laras registadas no ano passado: 1848. Já o disse por aqui: acho que a comunidade brasileira tem alguma responsabilidade na subida do nome. Mas atenção: se passarmos os olhos na página dos bebés da revista Maria, ou se frequentarmos fóruns online sobre nomes, Lara é dos nomes mais referidos. Contava com esta subida há alguns meses, mas a entrada no top 10 foi bem mais rápida do que eu estava à espera. Lembram-se da quantidade de Saras que existia nos anos 80? Será que esta vai ser a década das Laras?

  • Inês e Carolina são muito sólidos em termos de popularidade, embora o seu auge já tenha passado. Pensem: conhecem alguma adulta com este nome? Conhecem alguma adolescente com este nome? Conhecem alguma criança com este nome? E um bebé? Muito provavelmente, responderam sim a todas e isso diz mais do que qualquer coisa que eu possa escrever sobre o assunto. 

  • E o décimo nome da lista é Margarida e isto sim, surpreende-me. Margarida é um dos meus nomes preferidos desde sempre: comprido, com muita sonoridade e dá espaço para diminutivos. Mas juro que apostaria mais rapidamente todas as minhas fichas em Madalena, por exemplo, do que em Margarida. Sinto-me dividida: por um lado, é sempre bom saber que o nome ainda é considerado usável; por outro, queria tanto que não fosse popular!  

E por agora é tudo. Vou continuar à espera que surjam mais notícias sobre este ranking, na esperança de que divulguem informações mais úteis, mas estou muito contente. Um top 10 é muito melhor do que nada! Obrigada, Instituto dos Registos e Notariado!!

Para terminar em grande: o top 6 de 2010 inclui exactamente os mesmos nomes que o top 6 de 2008. Só muda a ordem.

5 comentários :

  1. Interessante. Realmente, o único nome que me surpreende é Lara, pois os outros são os nomes que oiço muito nas pequeninas. Não posso acreditar que não existe nenhuma lista/sondagem portuguesa anual dos nomes mais populares. A minha mãe, na Inglaterra no seu trabalho, tinha acesso aos nomes dos bebés da área do condado, e ela e as suas colegas, enquanto introduziam esses dados no sistema de informática rudimentar, construiam (por diversão!)um livreto de estatísticas dos nomes mais dados aos recém-nascidos. Costumavam fazer até os 30 top. Desculpa por estar a divagar um pouco, mas a recolha de nomes escolhidos anualmente é interessante e importante de um ponto de vista social. Perceber as tendências e gostos dos pais, e de um país, e saber como escolhemos identificar a próxima geração de portugueses é relevante ao público. Uso como exemplo, a tendência repentina nos anos 70 e 80 de dar nomes estrangeiros e "arussados" aos filhos. (Sandrine, Nelson, Tânia, Sónia, etc...). Não seria uma reflexão directa da nova liberdade de escolha, do fluxo de imigraçaõ/emigração, e da influência do comunismo? E provavelmente, esses nomes não estariam no top 10 nomes, mas sim, por volta dos 20-50 top. Geralmente é por aí que se vê as maiores tendências.
    Bem, estou hormonal (estou a chegar ao 2º trimestre!), de folga, e irrequieta, e este assunto obviamente conseguir passar por debaixo da pele! :) Por mim, passava o dia inteiro a fazer estatísticas de nomes se o instituto de registos assim me permitisse!!
    x

    ResponderEliminar
  2. Olá!
    Como de costume, assino por baixo.
    Nos últimos três anos, pelo menos, o IRN tem passado essa informação aos jornais (o Top 6 de 2008 saiu no Público, o DN referiu simplesmente que em 2009 os nomes mais usados eram Maria e Rodrigo e o ranking de 2010 saiu no JN, todos em meados de Janeiro. O problema poderá passar também pelo desinteresse dos media relativamente a esse assunto, considerado fútil. Para mim, é muito mais do que isso,é um dado sociológico, mas há poucas pessoas a partilhar dessa perspectiva.
    Mas atribuo "culpas" ao IRN na fraca divulgação dessa informação; não custava nada colocar um link com essa lista no site; sinceramente, achava bem mais pertinente do que a lista dos aprovados/desaprovados, porque contém, na grande maioria, nomes que ninguém usa há anos.
    Enviei um email para a jornalista do JN a pedir que publicasse no blog onde também colocou a notícia as restantes informações a que teve acesso. Pode ser que aconteça, não sei...

    ResponderEliminar
  3. E agora, o que verdadeiramente interessa: o nome do bebé já está escolhido?
    Uma vez mais, muitas felicidades!

    ResponderEliminar
  4. A tal lista...hehe
    Já fiz uma lista exaustiva. E o meu husbandinho limitou-se a anular cerca de 2/3!! Amanhã coloco aqui a lista, com as explicações pelas escolhas possíveis. x

    ResponderEliminar
  5. Bem, estou em pulgas! Venha lá essa lista!! :D

    ResponderEliminar

Com tantos nomes à escolha, vai mesmo ser apenas Anónimo? :)