Mudar de nome: sim ou não?

21.2.13


Há uns dias, o título de uma notícia chamou a minha atenção. Dizia assim: "Merche Romero muda nome do filho após rutura". Depois de ler o artigo, percebi que era um título ligeiramente sensacionalista para um texto que, afinal, referia apenas que a apresentadora de televisão, depois da separação do marido, Tó Pereira, decidiu começar a tratar o seu filho de um ano e meio pelo segundo nome, Salvador, em vez do primeiro, António. 
Não sei se o menino era ou não chamado frequentemente pelo nome composto ou se seria prática comum chamá-lo por um ou outro nome, sem grande padrão mas, pessoalmente, não me choca. Se a criança tem dois nomes, acredito que os dois fazem parte da construção da sua identidade. Porém, o que mais me intrigou no conjunto de reacções que fui lendo foram os comentários que diziam qualquer coisa como "quem me dera que a minha mãe tivesse mudado o meu nome" ou "eu também odeio o meu nome". 
Sabendo que a lógica habitual é que os pais escolhem os nomes dos filhos e acreditando que, em grande parte dos casos, essa decisão é racional e ponderada, pergunto-vos: se alguém que vos é próximo vos comunicasse a intenção de mudar de nome, como reagiriam? E se vocês não gostassem do vosso nome, seriam capazes de mudar ou imaginam-se, simplesmente, resignados? 

27 comentários :

  1. Eu tenho um nome composto e sou chamada pelos dois nomes juntos ou não...não acho nada demais...Não era capaz de mudar o meu nome, mas não sei, se tivesse um nome mesmo horrível talvez fosse capaz, mas ñ é o caso..o meu nome é uma parte importante de mim. Tenho uma amiga que mudou o nome, chamava-se Margarida e qdo era criança sempre a chamavam Guida, então fez berreiro em casa e a mãe foi ao registo e mudou para Guida...acho sinceramente que ela hoje em dia está arrependida :)

    ResponderEliminar
  2. Eu mudei os meus nomes próprios e sobrenome. Quando comuniquei a minha intensão à minha família mais próxima (pais e irmãos) não obtive a melhor reação, o meu marido apoio-me desde do primeiro instante. Desde que me lembro que nunca aceitei o meu nome, nunca me identifiquei e sempre vivi em permanente conflito com ele. Tomei a minha decisão depois de 3 anos de terapia e quando finalmente tomei consciência que o importante era eu, e que seria eu a viver com o nome e por isso mesmo deveria mudá-lo. Hoje estou em paz comigo e com a minha decisão, tenho o mome que sempre gostei e atualmente sou verdadeiramente eu.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, conseguiu mesmo mudar os seus nomes próprios e o(s) apelido(s)?

      Eliminar
  3. Josephine, parabéns pela coragem! Falo em coragem, porque ouve-se com frequência dizer que não se gosta do nome, mas é raro saber de alguém que efectivamente optou pela mudança!

    ResponderEliminar
  4. Eu não seria capaz de mudar o meu nome! Uma coisa é não gostarmos dele e tentarmos "pô-lo" mais ao nosso gosto com um diminutivo simpático! Mas agora, depois de tantos anos a ser tratada por Juliana, como iria conseguir virar a cabeça quando alguém me chamasse por outro, mesmo que por mim escolhido?
    Eu, pessoalmente, não seria capaz!
    É como a Filipa diz, faz parte da nossa identidade!

    ResponderEliminar
  5. Eu nunca pensei nisso nem seria capaz de mudar, mas vá eu chamo-me Sónia, embora seja algo datado não me envergonha... Mas se tivesse um nome mesmo ridículo e que me trouxesse problemas no dia-a-dia porque não?

    ResponderEliminar
  6. Acho normal não se gostar do próprio nome, pois não foi uma escolha nossa. Acho um ato corajoso e de afirmação pessoal mudar o nome. Existem muitas coisas que não podemos mudar na nossa vida e o nome, se fôr motivo de infelicidade, deve ser mudado. No meu caso, apesar de não adorar o meu nome não o mudaria pois nunca me causou nenhuma situação negativa, nem nunca afetou a minha auto-estima.

    ResponderEliminar
  7. Eu conheço um amigo que quer mudar o nome. Ele tem um nome composto e acho que quer ficar com o segundo nome. Mas ele tem um primeiro nome muito invulgar e que ele detesta, Osvaldo. Ele não quer ser tratado assim e na faculdade até pede aos professores para o tratarem pelo segundo nome, Filipe. Todos os amigos o tratam assim e eu sinceramente às vezes até me esqueço do primeiro nome dele. Mas percebo que ele queira mudar e usar oficialmente o nome com que se identifica.

    ResponderEliminar
  8. Eu sinto-me resignada lol não que não goste dos meus dois nomes, mas juntos acho horrivel, quando era miuda sempre disse que qd tivesse 18 anos mudava de nome... mas não o faço porque ha pessoas que me tratam pelo 1º outras pelo 2º e outras pelos 2, e acho um ato demasiado radical.. e sinceramente se um amigo meu me dissesse que ia mudar de nome ficaria um pouco chocada, a nao ser que mudasse um segundo ou primeiro nome que não fizesse diferença no caso de ter 2.Mas respeito e compreendo quem o faz!

    ResponderEliminar
  9. Se tivesse um nome que odiava, era capaz de mudar... Urraca, por exemplo - acho que não conseguia viver assim!

    Quanto ao caso do filho da Merche Romero... se antes não chamava Salvador ao filho, porque é que haveria de passar a fazê-lo depois do divórcio? Se o miúdo tiver o nariz do pai também lhe vai pagar uma rinoplastia, é? ahahahah
    A mim choca-me, porque não deve ser fácil uma criança passar a ser chamada por um novo nome...

    ResponderEliminar
  10. tenho um aluno q chama-se D'Evilly e eu imaginava q fosse uma menina.
    Tvz se eu tivesse um nome q deixasse dúvidas sobre o gênero eu quisesse mudar.

    ResponderEliminar
  11. o meu e mto comum. sandra maria. nao detesto. principalmente com primas que teem nomes que nao gosto nada. laurentina, ermelinda, adelia, arlinda,cassilda etc... e das minhas tias nao sao melhores, preciosa,idalina,odete,orlanda, e a minha mae chama se gracilia. coitada diz que quando era pequena era um trauma. nao havia ninguem com esse nome.

    ResponderEliminar
  12. Conheci hoje uma situação e pensei: vou contar no blog nomes e mais nomes.
    E vim!
    Um casal de gémeos: Noah e Noa

    A mãe trata o Noah por Nóá e a Noa por Noua... Mas a diferença é minima e quase imperceptível.

    Achei o cumulo da originalidade.
    Noa e Noé teria sido uma escolha um pouco mais feliz.


    ResponderEliminar
  13. Mary, obrigada pela partilha :D Também não faria parte do meu lote de escolhas, especialmente tratando-se de crianças que, por si só, já têm tanto de semelhante...

    ResponderEliminar
  14. Se eu mudo, se o tempo passa, porque raio teremos de ficar agarrados ao mesmo nome?
    Quantas vezes não apetece mudar de vida? Para mim uma mudança de vida sem uma mudança de nome não faz muito sentido...

    Mas ainda não mudei de vida, não mudei de nome, estou acomodada... Mas não vejo problema em mudar. Duas, três, quatro vezes. Não por MODA, não por ALTIVEZ, mas por SENTIMENTO. :)

    ResponderEliminar
  15. Josephine posso saber como mudou o seu nome proprio e que motivos alegou? Obrigado

    ResponderEliminar
  16. Olá Josephine, conseguiu mudar os seus nomes próprios e os apelidos? Como?

    ResponderEliminar
  17. Se eu me chamasse Francisca ou Frederica, mudaria o meu nome!

    ResponderEliminar
  18. Rita: Não gosto de Frederica nem Frederico mas Francisca é lindo!! Mesmo não gostando dos dois que ja referi nao me parecem tao maus ao ponto de querer mudar....

    ResponderEliminar
  19. Chamo-me Carina, a unica mudança que quero e vou fazer é pôr um acento e passar a ser Cárina. porque muita gente lê o "ca" como no nome catarina e eu não gosto!

    ResponderEliminar
  20. Josephine pode dizer-me quanto custou o processo, se é complicado e quanto tempo leva? Agradeço imenso, pois vou trocar de nome, de irvelinda para sofia. Espero que a conservatoria aceite a mudança. obgda Ive

    ResponderEliminar
  21. Acho graça as pessoas "fazem e acontecem" mas quando alguem quer saber qualquer coisa vem aqui coloca a pergunta e NINGUEM da resposta.

    ResponderEliminar
  22. Repare que o comentário da Josephine é de 2013! Aconselho-a a contactar o IRN, certamente que eles lhe prestarão todos os esclarecimentos acerca do assunto!

    ResponderEliminar
  23. Conheço uma situação semelhante. Uma colega minha teve uma filha, há 10 meses. Antes mesmo da bebé nascer, ela já se tinha separado do pai da criança. O nome escolhido por ela era Mara. No entanto, sendo o pai de outra religião e sendo que nessa religião, Mara é considerado um nome "do mal", preferiu Clara. Colocaram então o nome escolhido pela mãe e o nome escolhido pelo pai e a bebé chama-se Clara Mara.
    Quando está com a família materna, é chamada Mara e quando vai para o pai é tratada por Clara ou Clarinha.
    Acho bastante confuso para uma criança tão pequenina que, numa semana é Mara e noutra Clara. Além disso, não gosto nada da combinação e teria optado apenas por Clara, pois é um nome curto, querido e delicado e que assenta perfeitamente bem na bebé, que é loirinha, com uns olhos azuis enormes!
    Quanto à mudança de nome, eu não o faria, talvez por "respeito" aos meus pais, às minha origens, pois também não gostava que uma das minhas filhas me dissessem que iriam mudar de nome.
    Só em casos extremamente extremos e não só "porque sim".

    ResponderEliminar
  24. Luísa é bonito. Simples e forte como eu gosto. Mas não tive essa sorte :p

    Luísa Maria é muito mau (labrego até na minha opinião). Se fosse Maria Luísa era um bocadinho melhor, mas apenas Luísa é que era bom :)

    Raramente me chamam pelos 2 nomes (e ainda bem) e a maioria das pessoas acho que nem o sabem.

    ResponderEliminar
  25. Ps: como não é um nome horroroso acho que não me preocupo em mudá-lo. Mas acho que sou mais feliz por ser só Luísa :)

    ResponderEliminar

Com tantos nomes à escolha, vai mesmo ser apenas Anónimo? :)