Egas

3.6.15


Já passou muito tempo desde a última vez que reli a coleção Viagens no Tempo, mas aquele universo fascinava-me tanto que acho que tão cedo não vou esquecer as histórias. O primeiro livro, por exemplo, aflorava a lenda de Egas Moniz, o honrado aio de D. Afonso Henriques e, a partir da primeira leitura, passei a gostar muito do nome Egas que, anteriormente, apenas associava ao personagem da Rua Sésamo.
Egas Moniz viveu entre 1080 e 1146, era filho de Múnio e Ouroana e foi casado primeiramente com uma senhora chamada Dórdia e depois com uma Teresa, sendo pai de Lourenço, Afonso, Mem, Rodrigo, Hermígio e Soeiro, e ainda de Dórdia, Elvira e Urraca... Que banquete de nomes medievais
A origem de Egas é um pouco obscura. Uns apontam-lhe raízes árabes, outros dizem que a origem é Ega e que o -S terá influência germânica, outros indicam que está relacionado com Egeas mas os especialistas não chegam a um consenso. Para mim, é pouco importante. Gosto de Egas pela sua ligação emocional ao início da história de Portugal e, se o usasse, seria sempre com o aio Egas Moniz no pensamento. Lembremo-nos ainda de António Caetano, prémio Nobel da Medicina em 1949, que era conhecido como António Egas Moniz porque, ao que tudo indica, era seu descendente. 
Egas não consta da lista de nomes aprovados ou proibidos em Portugal, e não é um nome nada habitual mas eu cheguei a conhecer um da minha idade e é também o nome de um dos filhos do fadista António Pinto Basto. Em 2013 foi registado um menino com este nome e em 2011 foi registado outro. Apesar desta impopularidade e de reconhecer que não é um nome muito apelativo, eu acho-o muito interessante! 

13 comentários :

  1. Gosto mais de Ega. Também gosto muito dos nomes medievais...

    ResponderEliminar
  2. Filipa, fiquei a pensar se conhece alguma razão pela qual Egas ter deixado de ser admitido. :\

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Deixou de ser aceite pelo registo civil porque caiu em desuso,ou seja apesar de ser nome português e não estrangeiro,quando não é 'usado' durante muitos anos, deixa de ser aceite.

      Eliminar
  3. Joana, talvez me tenha expressado mal: o nome não consta da lista do IRN, nem como aprovado, nem como admitido, mas quero acreditar que é possível registá-lo!

    ResponderEliminar
  4. Ah, certo. Realmente não tinha entendido, obrigada. Eu também acredito que seja possível registar, dada a influência das personalidades que o sustiveram no passado :)

    ResponderEliminar
  5. Filipa, eu estou grávida de trigémeos e já tenho dois nomes definidos, mas ainda me falta um. Pensei que Egas era uma boa escolha quando o vi aqui na página mas será que posso registá-lo?

    ResponderEliminar
  6. Trigémeos?! Muitos parabéns! Fiquei muito curiosa em relação aos outros dois nomes! :D
    Aconselho a enviar um e-mail para o IRN a solicitar um esclarecimento sobre a aprovação do nome porque, segundo sei, costumam sempre responder à solicitação!

    ResponderEliminar
  7. Muito obrigada! Os nomes escolhidos por mim e pelo o meu marido foi James, Isaac e Egas. Vou enviar o e-mail ao IRN e vou ver o que me respondem. Porém se Egas não for aceite iremos chamar o trio de Lourenço, Vicente e Gonçalo.

    ResponderEliminar
  8. Olá, Filipa, meu nome é Márcia e sempre quis saber a origem do nome Egas, pois o tenho em meu sobrenome. No entanto, li o seu texto e pelo que percebi, no caso dessa explicação, ele é usado como primeiro nome. Achei muito interessante!

    ResponderEliminar
  9. Meu primeiro nome Egas, foi extraído de um filme alemão em que meus pais assistiram em Londrina-PR em meados de Novembro de 1950; e nasci em março de 1951. Já conheci pessoalmente 3 xarás.
    Em Porto Velho-RO ao assinar a folha de votação tinha outro Egas na mesma seção, porém não o conheci. Um comerciante de origem de Minas estabelecido em Cuiabá-MT comentou-me que tinha um primo com o nome de Egas. Em Forte Coimbra-MS nos anos 1973 havia um militar Cb Egas.
    Em Nova Andradina-MS ha uma Avenida Dr. Egas Bonilha de Toledo (Engº responsável pelas demarcações do município), e tem uma loja Auto Peças Egas. Em Curitiba-PR há a Comercial Egas (inclusive propaganda interna no estádio de futebol). Ao adentrar-me em uma OM do Exército em Campo Grande-MS onde na recepção são coletados os dados e fotografado já tinha um xará registrado. Em São Paulo-SP haviam 4 ruas que começaram com o nome Egas e uma delas era em homenagem ao português Egas Moniz. Há no interior do Amazonas o Hotel Egas. Gostei desse blogger, parabéns e muito obrigado. Ehas M. Fedorowicz.

    ResponderEliminar

Com tantos nomes à escolha, vai mesmo ser apenas Anónimo? :)