Nomes internacionais masculinos para 2014

6.12.13



Depois da publicação da lista de nomes femininos internacionais que gostaria de encontrar nos bebés nascidos em 2014, é chegada a vez dos nomes masculinos. Os meus preferidos são:



  • Abel
  • Alex
  • Artur
  • Benjamim
  • David
  • Eli
  • Félix
  • Gabriel
  • Leo
  • Levi
  • Lucas
  • Milo
  • Noah
  • Noel
  • Olivier
  • Óscar
  • Samuel
  • Victor
  • Xavier

Quais são as vossas sugestões?


56 comentários :

  1. Este é um tema muito interessante!
    Sou portuguesa mas cresci no estrangeiro, tive a sorte de receber um nome internacional que sempre me facilitou a vida. O meu marido é estrangeiro e teve o azar de receber um nome típico do seu país, nem sei o tempo que ele perde a soletrar o seu nome e apelido. Para os nossos dois filhos escolhemos dois nomes internacionais, se um dia emigrarem terão sempre a vida facilitada. Fiquei contente por ver que o nome dos nossos filhotes aparece nestas listas.

    ResponderEliminar
  2. Gostei muito da listinha.
    Os meus preferidos são:
    Artur
    Benjamim
    Leo (Leonardo)
    Lucas
    Oscar
    Samuel
    Incluiria Salvador, do famoso pintor Salvador Dali, o que de certa forma o torna internacional. O que acha?

    xSandrax

    ResponderEliminar
  3. Gosto bastante de Samuel. Poria também Mathias / Matias já que me pareceu ver bastante nos tops de nomes de outros países aqui abordados (e é um nome que tb gosto bastante).

    ResponderEliminar
  4. Afonso
    Bernardo
    Caetano
    David
    Enzo
    Francisco
    Gustavo
    Henrique
    Ivan
    Jonas
    Lucas
    Matias
    Nuno
    Pedro
    Ruben
    Salvador
    Telmo
    Vasco

    ResponderEliminar
  5. Félix
    Leo
    Lucas
    Matias

    Também gosto de Francisco mas não sei até que ponto é internacional...só mesmo por São Francisco talvez

    ResponderEliminar
  6. Acrescento:
    Mateus
    Eduardo
    Filipe
    Henrique
    Isaac
    Tomás

    Acho que nome internacional não tem necessariamente de ter a grafia exactamente igual , pode ser escrito noutra versão, basta simplesmente ser reconhecido e pronunciável! Todos sabem que Henrique é Henry e Mateus é Matthew e Eduardo é Edward...

    ResponderEliminar
  7. A sensação que me dá quando se sugerem nomes internacionais é que sejam nomes reconhecidos / usados em inglês e eventualmente francês... Não espelham atualmente os EU, o Reino Unido e a França(entre muitos outros)a diversidade étnica nos seus registos de nascimento? Creio que esta tendência advém da nossa maior exposição à língua inglesa e da sensação de ascender na hierarquia social, assim como o fazemos muitas vezes ao nomear o nosso pequeno rebento com um nome mais aristocrático. Não tenho nada contra a internacionalização, mas entristece-me que a globalização já tenha chegado aos nomes e que em 10 anos os rankings dos países ocidentais não variem muito... Qual o espaço então para a nossa herança cultural? Também me parece redutor pautar a escolha do nome de um bebé pelo estado da economia portuguesa e pensando que talvez possamos ou possa emigrar... Considerações à parte, prefiro definitivamente os que para mim estão na lista de "nomes de toda a vida" mesmo correndo o risco de não ser original, nem ousar, nem marcar tendências...

    ResponderEliminar
  8. "Também me parece redutor pautar a escolha do nome de um bebé pelo estado da economia portuguesa e pensando que talvez possamos ou possa emigrar... "

    Ora nem mais... a mim parece-me.... triste. Que as pessoas achem que o primeiro presente que dão aos filhos é um nome estrangeiro. "Pronto nasceste aqui nesta espelunca mas toma lá um nome estrangeiro e desenrasca-te."
    Está bem que todos temos filhos por egoísmo mas como podemos ter um filho sem esperança no sitio onde ele nasce? Os meus filhos têm nomes portugueses e sinto-me perfeitamente segura da minha escolha... Tive filhos aqui porque tenho esperança no "aqui" e não no "sei lá aonde eles vão"... Acho péssimo pensar assim quando ter filhos é a maior responsabilidade da vida!
    Sei que se um dia tiverem de emigrar o facto de terem de soletrar os seus nomes será o menor dos seus males... Sair do país onde nascemos não é propriamente uma grande felicidade e ter um nome internacional não tornará as coisas mais fáceis.

    ResponderEliminar
  9. Cada qual faça suas escolhas de acordo com suas convicções e que todas sejam respeitadas, é o que recomendo neste Tempo do Advento. Amém!

    ResponderEliminar
  10. Já abordamos esta questão aqui mas não encontro o post :( Ainda assim, lembro-me do que escrevi na altura e mantenho a minha posição: salvo algumas excepções, a maioria dos nomes internacionais que recomendo são nomes que se usam em Portugal.

    ResponderEliminar
  11. Filipa, eu sei disso está à vista. Mas alguém disse que um nome internacional deve ser prioritário e não concordo. Se eu pensasse que a crise vai durar 20 anos e os meus filhos têm de emigrar não teria tido filhos. Se os tive é porque acredito que aqui será o lugar deles e um nome internacional não é prioritário para mim de todo.

    ResponderEliminar
  12. Sou brasileira e, como é comum por aqui, tenho um nome de origem indígena. Até gosto do meu nome (exceto pelo fato de ser escrito com "y"), mas imagino que deva soar meio estranho para os portugueses a combinação de um nome tupi-guarani com sobrenomes (apelidos) de origem portuguesa (como é o meu caso). Penso que meu nome é reflexo dessa grande mistura de culturas que faz o meu país. Contudo, acho que se tiver filhos um dia, vou preferir nomes portugueses. E os estrangeiros que se virem pra pronunciar os nossos nomes.

    ResponderEliminar
  13. Para mim não soa estranho nome de origem indígena e sobrenome distinto dessa raça, vez que quando o Brasil foi "descoberto", aqui habitava os índios. Estes tiveram filhos com os novos habitantes. No Brasil só não há índio no Estado do Piauí e em Brasília, capital do Brasil.

    ResponderEliminar
  14. Concordo, Artur. Para nós, brasileiros, não soa estranho de jeito nenhum. Digo que deva soar estranho em Portugal, mas isso não é um problema. Como disse, os estrangeiros, incluindo os portugueses, que se virem pra pronunciar nossos nomes. Acho uma pena o fato de nós, brasileiros, mesmo sendo, na maioria das vezes, descendentes de africanos e de indígenas, geralmente termos apenas sobrenomes de origem europeia (com exceção dos descendentes de japoneses, chineses, libanesnes etc.). Até isso nos roubaram.


    ResponderEliminar
  15. Opiniões, todos as temos. Mas se um dia os vossos filhos se queixarem se queixarem por lhes terem chamado João ou Lourenço ou Martim, não se amofinem.

    ResponderEliminar
  16. Acho que há quem tenha bem a noção de como este país é pequeno, e outros que não. Uns escolhem por acharem uma letra mais bonita que outra. Outros escolhem curtos ou grandes. Outros com ar "nobre". Outros preferem escolher nomes perfeitamente usáveis tanto em Portugal como no resto do mundo.

    ResponderEliminar
  17. Mas claro que há nomes que, embora não muito internacionais, resultam bem: Vasco, Leonardo, Carlos, Luís... Só alertava mais para as particularidades do português como o ão, im, am, ç, lh, nh...

    ResponderEliminar
  18. Queixarem-se porque? Desculpem lá mas eu acho que isso é o típico pensamento português... do preocuparmo-nos com o que outros em demasia e se vão ter dificuldades em pronunciar ou não o nome. Que se desenrasquem, porque nós também nos desenrascamos! É a chamada subserviência, que não se encontra só nos políticos para com o exterior, mas tb no povo português (e do qual faço parte com orgulho :P).
    Tenho vários amigos a viver no exterior, incluindo Joões e nunca na vida se queixaram do nome! Por exemplo Lourenço não é assim tão diferente de Lawrence, e Martim de Martin. Os estrangeiros não são burros e cada vez mais estão abertos a novas culturas, principalmente em países de língua ofical inglesa.(exemplo, o caso do nome José Mourinho)
    Não quero com isto dizer que não devemos escolher nomes internacionais, a maior parte dos meus nomes preferidos até são capazes de ser internacionais, mas porque gosto deles, por não serem tão populares, ou por terem algum significado.
    E depois, claro, acontece também o contrário aqui em Portugal, o gostarmos de um nome internacional e as pessoas torcerem o nariz porque é diferente. Ex : Enzo, Lucas, Olivier, Elena (sem H lol) Ária, Cloe...
    P.S. Era interessante abordar num post os preconceitos do nosso país para com os nomes e o que fazer para mudar essa mentalidade.

    ResponderEliminar
  19. Bem, se a minha falha daqui a uns anos não achar piada nenhuma ao nome que escolhemos para ela tem bom remédio, muda de nome.
    Eu não mudei o meu 1º nome porque apesar de não gostar dele e não o usar não é um nome que me cause embaraço. Há muitos anos (desde dos 6) que optei pelo meu 2 nome sou chamada por ele e assino sempre com o meu 2 nome.
    Mesmo sendo emigrantes escolhemos nomes portugueses e muitíssimo tradicionais para as nossas filhas e garanto que todas as pessoas os pronunciam correctamente, às vezes ocorre alguém não conseguir pronunciar mas basta explicar e está tudo certo.
    As minhas filhas nasceram noutro país mas são portuguesas e serão até optarem ou não pela naturalização do país e acolhimento, o nome para nós é uma herança da nossa cultura e deve ser um motivo de orgulho.
    A minha filha mais velha tem na sua turma crianças de diversas naturalidades, com nomes característicos do seu país e não é nada de anormal.

    ResponderEliminar
  20. ???
    Um nome internacional é garantia de que vão gostar do nome? Olhe o meu é internacional e não gosto.
    Tem noção da quantidade de emigrantes portugueses com nomes nada nada internacionais? A emigração não começou agora começou há anos. Arminda, Firmino, Ludmila, Nazaré, Domingos... Conheço muitos, e será que isso para eles é um grande drama? Será que limitou-lhes a vida? Mas é claro que não, são pessoas normais, com profissões de sucesso, perfeitamente integradas no país que escolherem e não me parecem chateadas/traumatizadas por não terem nomes internacionais.

    ResponderEliminar
  21. Bem, na verdade, Joana para ser internacional seria Joanna, e sim, tem razão, é feio.

    Mas agora a sério, apenas acho uma mais valia, não estou a pôr em causa as conquistas de Afonso III, por amor da deus. Também já reiterei que me referia mais aos casos particulares e que lá fora são muito difíceis: ão, lh, nh, am, im! E sim, há Joões que se queixam, um até já o disse aqui. Agora, não quer isto dizer que pense que o nome João deveria ser extinto ou algo que o valha, apenas nos meus critérios não entra, assim como nos de outros não entram outros casos: Demasiado curto, demasiado grande, "de velho", muito assim e muito assado! Opiniões, gente, get a grip!

    ResponderEliminar
  22. Eu prefiro nomes portugueses e aliás os meus favoritos são tipicamente portugueses... O problema e quando o outro conjugue e de outro pais! Ai já se tem de escolher um nome mais internacional, de fácil pronunciação para ambas as línguas independentemente em que pais o casal reside.

    ResponderEliminar
  23. Para mim um nome que eu goste e que seja internacional é perfeito. Mas não ia escolher um nome internacional só pq era internacional. Mas calhou bem com os meus filhos que têm ambos nomes internacionais que eu adoro !

    ResponderEliminar
  24. Era muito mais fácil que pudéssemos saber sempre a idade das pessoas que comentam porque explicaria muita coisa.

    Anonimo, obviamente que estamos a falar de nomes internacionais adaptados para o português, Joana escreve se de mil e uma maneiras lá fora: Joanna, Joanne, Joan, Johanna. Até porque aqui em Portugal não é permitido Joanna. Por isso sim Joana é um nome internacional.(outro exemplo Camila) Cada um tem a sua opinião, mas é sempre saudável trocar pontos de vista diferentes.

    ResponderEliminar
  25. Também seria muito bom que quem comentasse tivesse passado num curso de "aceitar a opinião dos outros", pois tal não se sucedeu e a sua última frase, cara AnNa, é totalmente contraditória. Passar bem.

    ResponderEliminar
  26. lol Eu aceito a sua opinião mas posso não concordar, e expressar a minha, e foi o que aconteceu. Se não gosta de interação, tenha cuidado com o que escreve, pois habilita-se a respostas (como é obvio). acho que deve também reavaliar o seu conceito de "contraditório" (já que foi vc que disse Anónima "opiniões todos as temos") Por mim a "conversa" termina aqui.

    ResponderEliminar
  27. Joana e Joanna de facto é uma diferença enorme. Até acho que um Inglês jamais saberia que Joana vem de Joanna e nem ia saber pronunciar. Tem toda a razão. Os estrangeiros no fim de contas são burros, aliás, há pouca gente tão inteligente como o anónimo.

    ResponderEliminar
  28. A Joana, *além de ter um nome feio*, não entende sarcasmo. *Parabéns*.

    ResponderEliminar
  29. E o anónimo além "muito inteligente" (ao contrário) deve ter um nome ainda mais feio que o meu, para nem o assinar... :D

    ResponderEliminar
  30. Alguém disse em cima que as Armindas e os Firminos não foram limitados pelo nome. Mas então porque é que há uma geração de filhos de emigrantes nascidos em frança há cerca de 20 anos que se chamam Killian, Elodie, Laetitia, Christophe, Mickael?
    O mundo agora é uma aldeia, quer queiram quer não, e dá muito jeito ter um nome com grafia internacional, nem que seja pelo tempo que se poupa a não soletrar, a não devolver documentos porque se enganaram no nome, etc. É uma questão de pragmatismo.

    ResponderEliminar
  31. Porque filhos nasceram em França, não?!?! Deram nomes franceses... Se os filhos regressarem a Portugal ou viverem em outro país é igual. São nomes Franceses, e não internacionais. A Laetitia por exemplo, em Portugal terá de soletrar o nome ;) Conclusão: esses emigrantes também não pensaram em nomes internacionais, tanto que escolheram na sua maioria nomes próprios daqueles país.
    Enfim, não me vou alongar mais. A minha opinião é mesmo esta. Não acho que devamos escolher nomes internacionais e de repente banir todos os outros nomes nem acho que venha mal nenhum ao mundo se tivermos um nome pouco internacional e formos viver noutro país...É um pormenor mínimo, ter de soletrar o nome, não vai contribuir ou deixar de contribuir para o sucesso e a felicidade de ninguém. É chato, sim pode ser um pouco chato, como é chato usar óculos, mas ninguém é menos feliz por isso.
    Cada qual com a sua opinião esta é a minha e não vai mudar.
    Felicidades a todos os bebés, quer tenham nomes internacionais ou não, e principalmente que um dia não tenham de sair do lugar onde nasceram ;)

    ResponderEliminar
  32. Só mais uma coisa: Se alguém achar assim muito muito muito muito muito chato ter um nome dificil de pronunciar internacionalmente, a ponto de incomodar mesmo muito e de isso contribuir para a sua infelicidade, há sempre uma solução: muda de nome! Nem precisa de mudar completamente, mas adaptar. Imaginemos um João...Muda para John! Um Guilherme...Muda para William! Não é assim muito caro nem é um processo complicado, e se a pessoa se sentir infeliz vale a pena o dinheiro e tempo gasto com a mudança, e pronto, assunto resolvido, ninguem se amofina. Um nome não é definitivo nem é para toda a vida como muitas pessoas dizem, por isso mesmo é que temos a liberdade de o mudar caso nos incomode muito.

    ResponderEliminar
  33. O que se está aqui a discutir são os nomes INTERNACIONAIS (é esse o tema!)…acho irreal algumas dos posts aqui colocados… Cada um que ponha o nome que bem entender mas p.f. limitem-se ao tema que são nomes INTERNACIONAIS e, havendo nomes portugueses que se podem enquadrar nesse âmbito, muitos há que não andam lá nem perto …o que até pode não ser mau mas simplesmente não é o que está aqui em discussão !

    ResponderEliminar
  34. Também não vejo problema em procurar um nome comum em Portugal que seja usado globalmente, é apenas mais um critério dos muitos que devemos ter em consideração no momento de escolher um nome. Para muitos será um critério determinante e para outros terá menos importância...

    ResponderEliminar
  35. "Não acho que devamos escolher nomes internacionais e de repente banir todos os outros"

    Não vi ninguém a dizer isso. Concordo completamente com a Filipa e com outras opiniões. É apenas mais um critério, e por acaso, para mim, é dos mais importantes. Como disseram, há nomes internacionais, depois há nomes internacionalizáveis (Leonardo etc.) e depois há as particularidades portuguesas que o resto do mundo vai desfigurar por muito que tente: João, Gastão, Martim, Joaquim, Alvim, Perlimpimpim etc. Cada um com os seus critérios. O mundo não é só Portugal (felizmente).

    ResponderEliminar
  36. E não se compara o caso dos Killians e afins. Primeiro, a grafia francesa é sem dúvida mais internacional, mesmo que o nome seja tipicamente francês. Em segundo lugar, é estar a comparar Portugal com a França e os demais países francófonos, que só no mundo desenvolvido registam uma população cerca de 20 vezes maior que a de Portugal. A probabilidade do Killian vir a viver fora do mundo francófono é inferior à do João sair deste canteiro de crises cíclicas à beira-mar, assim como a proabilidade do Killian ou do Louis se adaptar melhor num país não-lusófono é maior que a do João se adaptar em Londres, por exemplo. O mundo não faz a mínima ideia como ler "ão"! Mas nada contra! Espero que isso não acabe com o Joões, pelo bem do nomes lusófonos! Tem de haver de tudo, e felizmente que nem todos seguimos os mesmos critérios.

    ResponderEliminar
  37. *"do Louis se adaptar melhor num país não-francófono". :)

    ResponderEliminar
  38. Acho que já se falou o assunto daqui e que já dei a minha opinião mas, resumindo, acho que para pais que têm ideia de emigrar, faz todo sentido que escolham um nome internacional. Mas se os pais não têm essa ideia e se gostam muito de um nome que não é internacional, também não acho que devam abdicar do nome só porque não é internacional... E acho que desde que o nome seja pronunciável em qualquer língua basta! Não tem propriamente de ser super internacional e conhecido. Acho que há nomes que podem não ser muito internacionais mas que seriam fáceis de dizer noutras línguas. Tal como aqui em Portugal conseguimos dizer Noah, Yasmin.

    De momento o meu nome internacional favorito é Benjamim!

    ResponderEliminar
  39. Toda a gente diz que respeita opiniões diferentes mas ao que leio aqui ninguém respeita, pura e simplesmente.
    Enfim! Isto dos nomes dá sempre azo a discussões, seja por ser internacional, por ser de pobre, betinho, feio, comprido, curto! Ainda bem que não gostamos todos do mesmo
    E sabem o que é respeitar opiniões? É ler, dar a nossa, e irmos a nossa vida...Não é ficar a conversar tipo chat e a responder com provocações. Ninguém tem razão.

    ResponderEliminar
  40. Há nomes bonitos e portugueses que também existem noutros países. Já têm sido feitos vários posts muito úteis sobre o assunto. Assim uma pessoa que viva no estrangeiro, um casal misto, ou alguém que pense em emigrar não tem que escolher entre um nome estrangeiro e um nome português, pode dar um nome que é ambas as coisas! O meu marido é estrangeiro, eu própria cresci fora de Portugal, a questão dos nossos filhos terem um nome internacional nem se pôs. Para não falar na quantidade de apelidos que damos às nossas crianças... Os meus 3 apelidos deram-me boas dores de cabeça e chatices no estrangeiro.

    ResponderEliminar
  41. «a grafia francesa é sem dúvida mais internacional»

    «Em segundo lugar, é estar a comparar Portugal com a França e os demais países francófonos, que só no mundo desenvolvido registam uma população cerca de 20 vezes maior que a de Portugal.»

    Eu li mesmo isto? Mas só se fala Português em Portugal?? Então e o Brasil??? Moçambique? Angola?
    20 vezes maior????
    População mundial que fala Português: 325 milhões dos quais 290 milhões são falantes nativos.
    População mundial que fala Francês: 500 milhões dos quais 110 milhões são nativos o que faz com que Português seja a 5ª língua mais falada do mundo e o Francês a 10ª(fonte Wikipedia).
    Sem contar com a População que fala Espanhol que têm nomes muito parecidos com os portugueses que são "apenas" 511 milhões e que são a 3ª língua mais falada, seguida do Inglês. E a quantidade de hispânicos que vivem nos EUA faz com que nomes típicos espanhóis e portugueses (Pedro, José, Francisco, Salvador, Martin, Frederico, Santiago, Cármen, Fátima, Laura, Marta, Lúcia...), sejam perfeitamente reconhecidos pelos americanos.

    O país está em crise sim, mas a Língua Portuguesa não. Que mania esta de gostarem de rebaixar o seu país e pior, a sua língua.

    ...conselho: pensem antes de escrever .

    ResponderEliminar
  42. Cara Catarina, existem 3 línguas no mundo que são consideradas globais por todos os especialistas: inglês, espanhol e francês. A globalidade de uma língua não é determinada pelo seu número de falantes nativos, ainda que isso seja importante. O francês é uma língua incomparavelmente mais estudada que o português, muito mais dispersa geograficamente (falada em mais países), língua oficial de inúmeras organizações, incluindo das Nações Unidas. A cultura e língua francesas são muito mais difundidas que a portuguesa e até a lusófona em geral. Ademais, referia-me mais ao contexto europeu, de países desenvolvidos para que uma pessoa tenda a emigrar. Embora haja quem imigre para Angola e Brasil, não se compara para quem faz vida em países como França, Bélgica, Suíça, Luxemburgo e Canadá.

    Ninguém renegou a língua portuguesa, mas por acaso até que está a sofrer uma enorme crise: mms://mms.parlamento.pt/www/xiileg/3sl/com/08-cecc/cecc_20131127_2.mp3

    ResponderEliminar
  43. E não sei onde viu esses números, mas na mesma wikipédia tem:

    Português 210M nativos, 230M total
    Francês 110M nativos, 500M total (isto inclui todos aqueles países africanos como o Congo, onde é a língua da vida pública, e que são muitos mais que Angola e Moçambique - Moçambique que, aliás, faz parte da Commonwealth e está a apostar no no inglês por causa dos vizinhos... o mesmo para Timor).

    Há que ter um olhar crítico. Ser tão saudosista de impérios e tão inestético...

    ResponderEliminar
  44. Ó anónimo, mas diga-me qual é a diferença de um português Guilherme e de um francês Guillaume a viver nos EUA??? A diferença é nenhuma.
    Nomes internacionais são nomes que são usados, conhecidos, e que têm a mesma grafia ou quase igual, na maior parte do mundo.
    Uma Cloe, uma Ema, uma Isabela, uma Amelia, um David, um Benjamim, um Lucas, podem ir para França, para Inglaterra, para a Austrália, para os EUA, para a Alemanha, para a Espanha, para a Noruega, para praticamente TODO lado que em TODO lado o seu nome será reconhecido. Isso é um nome internacional.
    Nomes típicos ingleses que SÓ se usam em países de língua inglesa, ou nomes típicos franceses que SÓ se usam em países de língua francesa, ou nomes típicos Espanhóis que SÓ se usam em nomes de língua espanhola, não são internacionais.
    Killian é francês e não internacional, Phoebe é Inglês e não internacional, Aitana é Espanhol e não internacional. Se queremos um nome internacional partindo do principio que o nosso filho poderá emigrar mas não sabemos para onde temos de escolher um nome conhecido mundialmente e não só em determinados país, pelo menos, é isso que para mim é lógico!
    Por isso está certíssimo o pensamento de que os emigrantes Franceses não escolheram nomes internacionais para os filhos, mas nomes franceses. E era a este ponto que queria chegar.

    Quanto aos dados que eu transcrevi foram tirados daqui:
    http://pt.wikipedia.org/wiki/Anexo:Lista_de_l%C3%ADnguas_por_total_de_falantes

    E continuo a ver: Falantes nativos 290 milhões; Falantes não nativos 35 milhões; Total de falantes 325 milhões

    ResponderEliminar
  45. Não disse que Killian era internacional, apenas disse que a escrita francesa era MAIS interncaional que a Portuguesa, e referia-me a por exemplo, comparar um Killian ou um Louis com um João ou Estêvão. Só isso.

    Não existem 290 milhões de falantes nativos de português, isso é falso. A mesma wikipédia aqui diz 220: http://en.wikipedia.org/wiki/Portuguese_language

    ResponderEliminar
  46. Aliás, como deveria saber, a wikipédia pode ser editada por todos, por mim, por você, pelo pedreiro, pelo engenheiro. Esse link que colocou é da wikipédia em língua portuguesa (só aí se vê o viés) e não tem referência, apenas diz "número aproximado". Aproximado pelas contas de quem? Se for ver os dados do Ethnologue e até da wikipédia em inglês, essa sim, fiável, verá que o máximo a que pode estender o número de nativos é 220. Não acredite em tudo o que vê na internet, ainda para mais na pt.wikipedia.

    ResponderEliminar
  47. Anónimo, por que então não sair do anonimato? Crie um pseudônimo.

    ResponderEliminar
  48. Realmente chamar anónimo a alguém num blog sobre nomes é irrisório!! E pior é que já nem sei se estou a falar com o anónimo ou como anónimo nº 2

    Enfim, Anónimo, mas cada país tem os seus nomes típicos e principalmente os que levam pontuação, também a França os tem, por exemplo Maëlys. Eu não daria este nome a uma filha se vivesse em França, porque não o acho internacional em países de outras línguas. É isso. E agora só se eu fizer um desenho mas não estou com vontade.

    Quanto aos números ...não interessa se são 200 milhões ou 300 milhões.É das línguas mais faladas do mundo e isso sim é verdadeiro, os nºs cada sitio diz o seu. Simplesmente a população de língua francesa não é 20 vezes maior que a de língua portuguesa .

    E só mais uma coisa importante. Os filhos nascem HOJE mas irão emancipar-se daqui por 20 anos, e o mundo de hoje não será o mundo de daqui a 20 anos. Ainda para mais estando a Europa em crise (não é só Portugal), o Brasil, está em crescimento , assim como Angola. Tanta coisa mudará daqui até os nossos filhos se emanciparem. Não devemos pensar só no agora.

    E por mim, chega.

    ResponderEliminar
  49. Psudônimo com acento circunflexo12 de dezembro de 2013 às 22:04

    Acentos são uma coisa, e nesse caso, o trema serve para indicar o hiato. Sempre me referi aos ditongos nasais únicos do português: ão, im, am... Mas especialmente o ão!

    Não vou argumentar mais consigo sobre qual a língua mais relevante no mundo, se o francês se o inglês, pois é o mesmo que debater se o que é mais útil para pôr um carro a andar é gasolina diesel ou adubo. Tenha também em conta que 190 milhões dos 210 falantes nativos vivem num só país: Brasil. Adeus

    ResponderEliminar
  50. *se o francês se o português
    :)

    ResponderEliminar
  51. eu adoro ter um nome que é reconhecido em quase todos os países...na verdade ja fui a varios e todos reconheceram-no sem dificuldades...e nao deixa de ser um nome tipicamente usado na minha geraçao em portugal. Pode-se ter os dois mundos ;) Um nome internacional nao quer dizer necessariamente um nome não portugues.

    ResponderEliminar
  52. Eu que moro na suiça, acho importante que o nomer do meu filho ou filha seja dito como deve ser em frances, porque nao acho piada nenhuma quando por exemplo o menino se chama Mateus e depois chamam no Mathieu. É Mateus, é Mateus. Por isso é que procuro um nome que nao fique feio dito a francesa!

    ResponderEliminar

Com tantos nomes à escolha, vai mesmo ser apenas Anónimo? :)