Concha & Conceição

7.4.11


Embora eu não seja propriamente uma pessoa muito vivida, sei que, mais cedo ou mais tarde, acabamos por perceber que há pessoas extraordinárias ao nosso lado. E num dia em que estejamos mais sensíveis, talvez nos passe pela cabeça homenagear essas mesmas pessoas, dando o seu nome ao nosso bebé. Infelizmente, nem sempre pessoas extraordinárias têm nomes extraordinários. O nome do dia de hoje pertencia a uma dessas pessoas extraordinárias. 

Conceição significa "concepção" ou "criação". Esticando a corda, pode ser sinónimo de imaginação, criatividade. A Conceição mais recente que conheço pessoalmente nasceu em 1983, mas ainda acredito que seja o segundo nome de várias crianças, actualmente. [atualização: em 2013, foram registadas apenas três meninas com este primeiro nome e dez meninas chamadas Maria da Conceição; no total, Conceição foi usado como segundo nome 38 vezes]. O diminutivo mais vulgar é Ção (ou, como muitos preferem, São); contudo, e pensando numa criança, sugiro a opção dos espanhóis - Concha. Que poderia passar a Conchinha. Ou Concheta, como usam os italianos. [Concha foi registado apenas duas vezes em 2013]. 

Por outro lado, há futuros papás que querem usar um nome giro, que já esteja na família. Tendo ou não  uma forte ligação ao primeiro portador do nome, é uma oportunidade de usar um nome mais invulgar, um vintage, até, tendo sempre uma boa justificação.

Há algum nome de que não gostem, mas que adorassem usar como homenagem a alguém? Ou algum nome de família maravilhoso mas cujas recordações não são as melhores? São a favor ou contra homenagens?

Ainda ontem a C* dizia na caixa de comentários que não gostava muito do nome da mãe... Olhando para os anos 40, 50, 60 quantas pessoas não terão escolhido uma pessoa para homenagear, em vez de escolher propriamente um nome para o seu bebé? Eu conheço umas quantas...

10 comentários :

  1. Eu concordo plenamente que há pessoas que merecem ser homenageadas.

    Alias, apesar de esteticamente o nome não me cativar, não posso ficar indiferente ao nome Conceição, pois é o nome da minha querida e admirável MÃE. E ela merece todas as homenagens que lhe possam prestar.

    No entanto, e embora já tenha pensado nisso, não acho boa ideia dar a um bebé um nome, em homenagem a outra pessoa, porque acho que isso dá uma "carga" muito pesada ao bebé. É uma nova vida, penso que não deve ter já uma "história" de vida de outra pessoa. Por esse motivo, e embora ate gostasse muito de dar o nome do meu pai, por exemplo, a um dos meus filhos, penso que não o farei. Um filho é único e uno e merece um nome só dele, uma página em branco para ele escrever a sua vida. Mao precisa de levar desde a nascença a "carga" do avo, ou do padrinho, não!

    _Mas é só a minha opinião. Acho que há outra formas igualmente bonitas de homenagear as pessoas que amanso.

    ResponderEliminar
  2. Quando era adolescente fui muito marcada pela morte de uma amiga (já idosa) que era minha catequista. O nome dela é Benedita e durante algum tempo pensei que seria uma bonita homenagem a uma pessoa com um grande coração e que venceu tantas barreiras na vida. Compreendo as homenagens, mas penso que podemos honrar essas pessoas notáveis na nossa vida pelo exemplo que nos deixaram, por mantermos a sua memória, por continuarmos a amá-las para sempre.

    ResponderEliminar
  3. O meu filho, que nasce em Agosto, terá como segundo nome John, como o meu falecido pai. Não vai ser o nome principal dele, mas está presente na mesma. A minha família é muito pequena, e estamos dispersos por 3 continentes. Não sei se é de propósito, mas temos todos nomes que no ligam, de alguma forma, ao clã. E parece que é uma forma de nos manter unidos. O meu nome é o mesmo da minha tia, da minha tris-avó, tetra-avó e de mais algumas! O meu namorado quer que a próx. criança (!?!?!?!) presta homenagem aos pais dele que se chamam .... Ramiro e Olinda!! Aí, acho que me vou tornar criativa com os iniciais R e O!! Pois é, os iniciais é uma forma gira de homenagear quem gostamos.

    ResponderEliminar
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  5. repeti-me :/ eu e a net avariamos com o calor.

    ResponderEliminar
  6. Conceição é o nome da Minha mãe.
    Aliás Maria da Conceição, mas gosta que lhe chamem são!! Não é um nome que goste muito, mas não odeio. :)
    Quando tiver um filho, se for menina chamar-se-a ANA (seguindo talvez de Luísa ou Carolina). Mas Ana como homenagem à mulher que mais admiro neste mundo, a minha avó. Sou a favor das homenagens, mas também, acho que os pais devem pensar bem no nome que estão a por ás crianças... conheço uma Adelina, uma Laurinda, uma Claudiana, uma Ermelinda com 20 e poucos anos, que odeiam o seu nome e se sentem deslocadas, envergonhadas, etc (palavras delas) com o nome que têm. E isto tudo para homenagearem as avós.

    ResponderEliminar
  7. Concordo com todos os comentários, principalmente com a ideia de que a homenagem não se deve tornar num fardo para a criança...
    E também confesso que acho piada a histórias de família que prolongam um nome durante gerações; como em tudo, haja bom senso! :D

    Kate Bee, o namorado está mesmo entusiasmado com a paternidade ;)

    ResponderEliminar
  8. Ora bem eu não gosto no nome da minha mãe nem ela porque a carga que o nome tem não é positiva. A escolha foi feita pelo padrinho(e avô paterno) dela e além dele ter dito que era em honra de "Santa" Maria Adelaide,consta na família que era o nome de uma amante dele -.-

    Já agora a minha avó queria que ela fosse Manuela porque era um nome popular na altura (anos 60).

    Eu adoro o nome Rodrigo porque é o nome do meu avô materno e não posso atribuir um único defeito ao meu avô. Por isso eu gostaria de dar esse nome a um filho como homenagem. Também tive uma bisavó que me marcou bastante, mas o nome dela era/é Emília. Gosto do nome, porém sou mais reticente pq parece um nome de uma pessoa mais velha e fica estranho numa bebé/criança.

    Concordo que a criança não deve sentir um fardo por ter um nome em homenagem a alguém. Felizmente eu nunca senti esse fardo(sou Carolina em homenagem à avó paterna e madrinha da minha mãe).

    ResponderEliminar
  9. Sim, Maria do Carmo, como a minha avó!
    Gostava de dar a uma filha mas não gosto do nome.
    Ou melhor, eu gosto de Carmo...Mas não suporto Carminho!!! E já sei que era inevitável...

    ResponderEliminar
  10. Agora com mais tempo:

    Carolina, essa história da amante é tragicómica, mas compreende-se perfeitamente a rejeição do nome por parte da sua mãe... Quanto a Emília, não acho tão pesado assim para um bebé... Nos EUA é um sucesso absoluto!

    Rita, conheço um casal que há cerca de seis meses teve uma bebé e o nome escolhido foi Maria do Carmo, aka Carminho :D

    ResponderEliminar

Com tantos nomes à escolha, vai mesmo ser apenas Anónimo? :)