Dicas para escolher um nome

28.10.10


Escolher o nome de um bebé não é uma tarefa tão simples como à primeira vista pode parecer. Pelo menos para os que, como eu, acham que o nome é o primeiro cartão de visita que temos.
Aqui ficam algumas questões mais sensíveis...

1. Pergunte aos pequenotes que conhece qual é o nome das crianças que andam com eles na escola. 
Depois de obter a resposta, cabe-lhe decidir se prefere optar por um nome na moda, facilmente reconhecível, que não causará grandes obstáculos à criança, ou se prefere um nome menos usado.

2. Se optar pelo nome da moda... 
lembre-se que a criança será quase sempre chamada pelo nome+apelido e, nesse caso, pondere utilizar um nome composto. Nenhum pequenito gosta de ser o Cabral ou a Santos.

3. Se optar por um nome menos utilizado... 
leve em consideração o facto de a criança poder vir a odiar a escolha. Por vezes queremos diferenciar os nossos filhos, mas levamos a diferenciação ao ponto do exagero. Tente encontrar um meio termo.


4. Os nomes da moda estão sempre a mudar.
Hoje nascem poucas Sónias ou Tânias, tal como há 20 anos nasciam poucas Leonores e Matildes. Pense que o nome da moda hoje estará provavelmente ultrapassado quando a criança alcançar a idade adulta.

5. Antecipe-se.
Pense, com alguma malícia, nos possíveis trocadilhos com o nome, inclusivamente com a mistura do nome e do apelido. Mas desengane-se: as crianças arranjam sempre trocadilhos, basta quererem.

6. Não se comprometa publicamente com nenhum nome até ao momento do registo.
A menos que tenha absoluta certeza do nome que vai usar, opte por manter as opções em aberto; certamente não quererá que lhe ofereçam peças de roupa com um nome que afinal não escolheu, ou que lhe digam que gostavam mais do primeiro nome. Lembre-se que até ao nascimento tudo pode acontecer!

7. Esteja preparado para abdicar do seu nome preferido...
se isso originar uma guerra com o seu companheiro ou companheira. Da mesma maneira que adora um nome e odeia outro, o mesmo se pode passar do outro lado. Valerá a pena criar um conflito por causa de um nome, sabendo que está a obrigar o seu parceiro/parceira a chamar para o resto da vida um filho com um nome que não gosta?

8. Se optar por deixar que alguém escolha o nome por si... 
tenha a certeza que aguenta qualquer decisão, ou certifique-se de que poderá vetar algumas escolhas, caso contrário o bebé poderá acabar com um nome de que ninguém gosta e arrepender-se-á eternamente.

9. Os seus pais já tiveram oportunidade de escolher o seu nome... 
por isso, caso insistam em entregar-lhe listas com os nomes que eles preferem, ou se  criticarem todos os nomes da sua lista, poderá delicadamente lembrar-lhes esse facto.

10. Se optar por dar o seu nome ao seu filho, 
pense que os outros filhos poderão mais tarde sentir-se inferiorizados, encarando o irmão como "o preferido" e dando origem a ciúmes. Nunca se sabe o que vai na cabeça das crianças.   

11. Cuidado com as homenagens.
A sua tia podia ser uma querida, mas lembre-se de explicar à sua filha que, porque tem o nome dela, não tem de ser igual a ela. Corresponder a expectativas alheias pode ser uma tarefa pesada para uma criança.

12. Se decidir pedir opinião, não crie inimigos. 
Sejamos realistas: há poucas coisas tão subjectivas como gostar ou desgostar de um nome. Assim, se resolver partilhar com outras pessoas a sua lista, prepare-se para as piores reacções e aceite-as. Caso ache que não consegue lidar com a rejeição do seu nome preferido, opte por não o revelar. Tão simples quanto isso.

13. O que é nacional é bom.
Em Portugal, não podemos escolher nomes estrangeiros, embora alguns possam ser usados, quando "aportuguesados". Quévin Costa ou Riana Sofia são potenciais fontes de gozo. Valerá a pena traumatizar a criança por causa de um capricho?

14. Os nomes compostos andam sempre na corda bamba. 
A menos que opte pelos nomes compostos tradicionais, esteja preparado/a para receber críticas. A maioria das pessoas lida mal com sonoridades a que não estão habituadas. Laura Dulce faz torcer mais narizes do que Laura Isabel, simplesmente pelo facto de Isabel ser muito usado como segundo nome. Não é mais bonito, apenas mais comum. 

15. Cuidado com as fontes de inspiração.
No dia em que escolher Índia como nome da sua filha, haverá quem ache que se inspirou no país, mas também haverá quem pense que se inspirou na filha da Ana Malhoa. Escolheu Isabela? Como no filme Twilight... Se isso não o incomoda, siga em frente. Se é mais sensível a essa questão, talvez seja melhor optar por outro nome. 

Alguém passou por alguma destas situações? Têm algumas dicas a acrescentar? Estou maluca?

6 comentários :

  1. Excelentes dicas, muito importantes para quem está escolhendo um nome para bebê.

    ResponderEliminar
  2. Obrigada, acho que consegui tocar nos pontos mais sensíveis e que são muitas vezes esquecidos...

    ResponderEliminar
  3. Ai!! Tanta coisa em que pensar!!!

    ResponderEliminar
  4. Puxa, muito legal teu sítio! Várias dicas muito interessantes. Obrigado por compartilhar.

    ResponderEliminar
  5. Eu também sugeria outra dica: esperar que o bébé nasça para fazer uma decisão definitiva. Pode ser que depois de nascido, pela cara e/ou personalidade, outro nome se adeque ao recém-nascido que não aquele que estava planeado antes dele nascer.

    ResponderEliminar
  6. Paulo,
    Concordo plenamente com o que disse! Já tinha decidido que não iria confirmar publicamente o nome do nosso filho antes de nascer porque quando olharmos para ele após nascer é que saberemos, eu e o pai, em definitivo o nome dele!
    Faz todo o sentido.
    Este blogue é o máximo!
    Ana-Lisboa

    ResponderEliminar

Com tantos nomes à escolha, vai mesmo ser apenas Anónimo? :)