Primas com o mesmo nome?

10.5.18


Hoje trago-vos o relato de um casal que está perante um dilema. Chegada a hora de escolher o nome para a sua primeira filha, queriam usar o nome da avó materna, que está no top 20 de nomes femininos mais registados em Portugal. No entanto, esse já é o nome de uma das priminhas da bebé, que também herdou o nome da avó. O pai está decidido em avançar com a escolha mas a mãe teme que isso cause mal-estar entre cunhadas. 

Sinto algum desconforto ao opinar nestas situações, porque isto vai para lá da criação de uma lista de nomes do mesmo estilo ou da simples indicação do meu par preferido, mas acho que é um tema que merece alguma reflexão. 
De um modo geral, e dada a importância que eu dou aos nomes próprios, sou desfavorável à repetição de nomes entre familiares. Mas, neste caso em particular, a repetição surge da vontade de homenagear um ente querido e acho que esse pormenor enternecedor faz a diferença. Claramente, estes irmãos nutrem imenso carinho pela mãe e, havendo bom senso, penso que a irmã será a primeira a entender a vontade do irmão! Além disso, tratando-se de um nome bastante popular entre as meninas portuguesas, é de esperar que se cruzem com várias da mesma faixa etária, e acredito que esse factor também conta. 
Ainda assim, não quero desvalorizar as reticências da mãe da bebé, que me parecem muito legítimas. Há uns anos, questionados sobre o que sentiriam perante a revelação de que alguém próximo escolheria o mesmo nome para o filho, grande parte dos leitores do Nomes e mais Nomes afirmaram que ficariam descontentes. Posto isto, acho que, antes de revelarem a escolha à família, deve existir uma conversa entre irmãos, para minimizar qualquer atrito! 


No lugar destes pais, manteriam a vossa escolha? E no lugar da irmã, como reagiriam? Conhecem casos de primos  e primas com o mesmo nome? 

15 comentários :

  1. Para mim a solução seria, se possível, a variação do nome ou a proximidade com outro nome. Por ex.: Isabel e Elisa,Teresa e Tessa, Maria e Marina... Ou usá-lo como segundo nome. Enfim, na minha opinião é melhor do que duas primas com o mesmo nome. Eu mesma não escolheria um nome para um filho de um nome próximo do meu circulo de família e amigos, acho q parece mais original. Por isso gosto de consultar o blog para sempre ter diversas opções.

    ResponderEliminar
  2. Bom no meu caso tenho 7 Henriques e 4 Augusto:Valdir Henrique e Rafael Henrique sao primos sempre conviveram juntos.Rafael tem um meio irmao chamado Marcio Henrique Filho(do lado paterno).Tenho 2 primas sao gemeas(lado materno):Martha casada com Augusto e o filho deles chama augusto filho e Marcia casada com Cicero tem um filho Henrique.Eles podem usar como segundo nome!

    ResponderEliminar
  3. A minha mãe tem uma prima, penso que um pouco mais velha que ela, com o mesmo nome. O motivo: tinham a mesma madrinha (que no caso era a avó materna de ambas).
    O motivo invocado no caso mencionado parece-me válido para a repetição de nomes, ainda mais se é um nome comum. Acho mesmo que uma conversa entre irmãos resolve a questão (se não resolver, algo não está bem na relação).

    ResponderEliminar
  4. O meu primo e o meu irmão têm o mesmo primeiro nome, que era o nome do meu avô. Nunca os confundimos porque usavam alcunhas diferentes. Podem sempre dar como segundo nome e colocar um nome mais neutro como primeiro, a homenagem continua lá. E claro, acho que devem conversar com o irmão e cunhada visto que têm uma boa razal para colocar o mesmo nome.

    ResponderEliminar
  5. Eu sou um caso destes.
    Tenho uma prima com o mesmo nome que eu... nascemos com 2 meses de diferença.
    Muito sinceramente não me faz muito diferença porque não passamos Páscoa nem Natal juntas somos primas porque os nossos avôs em comum eram irmãos!

    A minha prima de 1° grau Caroline, francesa, tem o nome de uma das minhas bisavós-Carolina.

    Não foi forma de homenagear ninguém foi simplesmente a mãe comentou que gostava de Caroline e pai disse que a sua avó era Carolina.

    Eu não sou muito a favor de pôr os nomes a bebés de familiares que já nao estão cá, porque cada um é como é e ninguém é substituível =)

    Eu não sei qual é o nome que o pai está a pensar, claro que poderá encontrar muitas da mesma faixa etária mas, também pode escolher outro nome menos popular que seja idêntico.

    Um beijinho

    ResponderEliminar
  6. Agora já que é o nome da avó e que já existe uma criança com o mesmo nome eu não o escolheria.

    E tive uma amiga que viveu de perto esse dilema.
    A sogra já falecida de nome Beatriz, teve anos depois uma neta com o mesmo nome... entretanto o outro irmão foi pai de um menino e agora será pai de uma menina! O pai escolheria Beatriz, sendo que a mulher lhe disse que a sobrinha já era Beatriz e colocar Ana Beatriz ou Maria Beatriz era extremamente popular e acabariam por chamar sempre Beatriz.
    Acabaram por chegar a um nome que fosse em comum com os gostos de cada um, e a bebé Lorena chegará em breve.

    ResponderEliminar
  7. Tenho duas primas nessa situação e embora o nome da mais nova seja composto são tratadas apenas pelo primeiro e nunca existiu nenhuma confusão por isso.
    Acho que é mesmo uma questão de perceber junto da família se isso significa algum incómodo.

    ResponderEliminar
  8. Não vejo qualquer problema neste caso. A minha irmã e eu temos alguns nomes iguais nas nossas listas e eu mantiria a minha escolha.
    No entanto, recomendo que a leitora converse sobre o que sente com a cunhada e se se sente desconfortável em dar o nome da prima à filha, pode sempre usar uma variação do nome ou um que tenha o mesmo significado.
    No meu caso, eu e a minha irmã temos David nos nossos preferidos e eu até brinquei que se ela chamasse David a um filho, eu chamava Davi ao meu...:) (pode acontecer, até porque prefiro esta grafia).
    Também gostaria de homenagear a minha avó, mas não gosto nada do nome dela, Ondina. Entretanto de Nami, que significa a mesma coisa, já é uma opção.
    Em qualquer dos casos, a leitora que siga o seu coração, que as coisas acabaram por se resolver.

    ResponderEliminar
  9. Para mim depende muito da convivência que existe. Se conviverem muito, numa base diária, não recomendaria. Se só se encontram no Natal ou nos casamentos acho que não faz diferença. Por outro lado, se o objetivo é a homenagem, podia ir perfeitamente como segundo nome.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Concordo plenamente consigo... era o que faria! Conheço um caso de duas cunhadas que ambas "queriam bajular o sogro" (o sr era riquíssimo!!!) e ambas puseram Francisco (um nome banalíssimo!)... hj não falam uma com a outra!!! Os meninos são amigos: um é Chico e o outro Kiko!!!

      Eliminar
  10. Eu acho que fui uma das pessoas que respondeu que não ficaria mto contente caso isso acontecesse XD Mas há casos e casos... Neste caso acho compreensível, eu não o faria, porque acho estranho ter duas pessoas tão próximas com o mesmo nome (isto se forem conviver muito), percebo as reticencias da mãe.. eu no lugar dela (se eu quisesse e também gostasse muito do nome claro) se o meu marido insistisse mesmo, eu aceitaria, mas ele que comunicasse isso à irmã ahahah

    ResponderEliminar
  11. Se os pais gostam, devem ver o que resulta melhor no bem-estar familiar. Optar pelo seu nome de eleição, conjugá-lo com outro, escolher um nome diferente. Se fosse eu tentaria outra opção, mas não me choca que primas tenham o mesmo nome :) Os primeiros reis portugueses não colocavam nomes iguais às filhas de mães diferentes? ;)

    ResponderEliminar
  12. Eu tenho esse caso, a minha irmã e a nossa prima direita têm apenas 9 meses de diferença e o mesmo nome.
    Na altura não era um nome popular nem um nome de família que pudesse justificar a repetição, contudo a coisa foi falada entre cunhadas, sendo a mãe da que nasceu depois terá dito qualquer coisa do género: não é querer copiar, mas também gosto muito desse nome. Do outro lado foi bem aceite e entendido como um elogio ao bom gosto!
    As duas primas cresceram muito próximas e sempre se trataram uma à outra por "Pima" e ainda hoje são as "Primas".

    ResponderEliminar
  13. Eu sou filha única e cresci com os meus primos - para mim, é como se fossem meus irmãos. Se estamos a falar de primas com este tipo de relação e proximidade, nunca colocaria um nome repetido.

    ResponderEliminar
  14. Tal como dito nos comentários anteriores, acho que depende da proximidade entre as primas. Pessoalmente, acho bom evitar a repetição de nomes na família recente. Acho muito bonito homenagear um antepassado, mas se ambas as partes têm esse desejo, penso que se deve conversar sobre o assunto. Por exemplo: se a avó materna tinha dois nomes, porque não dividir pelas meninas? Isto claro depende dos nomes e dos gostos pessoais, porque havia nomes antigos e incomuns que, ainda que estejam a regressar agora, não são “moda” e, alguns, não propriamente bonitos numa criança da década de 2010. Também podem pensar se não desejariam homenagear outro antepassado, como a versão feminina (se possível) do nome do avó paterno, ou a bisavó, tetravó… Na minha opinião pessoal, não colocaria nomes iguais.

    ResponderEliminar

Com tantos nomes à escolha, vai mesmo ser apenas Anónimo? :)