Filhos da Blogosfera

30.8.12

Cheguei ao blog A vida a 4D através de um post sobre nomes e fui invadida por uma enorme curiosidade. O dito post referia que os filhos da Duchess, a autora, se chamavam ManuelVicente Afonso e que havia também uma menina, a "C.". Em harmonia com o nome dos irmãos, pensei que a inicial pudesse ser de Constança, Carlota, Carolina ou até mesmo Caetana. Ao ler os comentários do post, encontrei um nome conhecido, o da Alexa e lembrei-me de imediato de um comentário que ela tinha feito aqui, a propósito de um baby blog que acompanhava, em que a mais nova de quatro irmãos se chamava Concha. E pronto, só descansei quando confirmei que o C era mesmo de Concha
Concha ainda não é o nome que mais espero ouvir e, quando acontece, fico sempre muito curiosa a respeito da escolha que, a meu ver, é arrojada. E o mais surpreendente é que continuo a ver Concha associada a nomes antigos e históricos, quando o encaro como um nome moderno e o catalogaria junto de outros nomes ligados à natureza. Decidi, então, perguntar à Duchess o porquê da escolha dos nomes dos filhos e ela, muito simpaticamente, indicou-me uma série de posts onde já tinha abordado o assunto. Num deles, é possível ler o seguinte trecho, na caixa de comentários: 

“Desde sempre que gosto de Afonso. Mas também desde sempre que quis uma menina. Então nos meus tempos mais freaks queria uma Maria Afonso. Passados uns anos engravidei e já não achava assim tanta piada a Maria Afonso...mas continuava a amar Afonso. E veio o Afonso. Que se tivesse sido menina seria Matilde.
Depois comecei a pensar que queria ter outro filho com pouca diferença de idade do primeiro. Mas desta vez tinha um feeling que seria mesmo uma menina. Mesmo. Mas enganei-me, claro. Muito cedo soube que vinha outro pilinhas. E no dia em que soube deu-me um baque. Desta vez ia ser uma Madalena. E era tão claro que nem pensei duas vezes. Do nada surgiu-me o Manel...uma espécie de versão masculina da Madalena. O pior foi o segundo nome. O marido logo de início não queria Maria...e eu queria. Eu não queria mais nenhum: Manuel João, não; Manuel Luís...só se fosse o Goucha...
Acabou por ficar Manuel Maria (sim, sou muito persuasiva).
E o mais engraçado é que logo depois do "Manel" me sair pela boca, percebi que era o segundo nome do meu pai e o primeiro do meu avô. Claro que toda a gente adorou.
Quando chegou ao 3º felizmente ainda tinha alguns nomes em carteira. Decididamente se fosse menina já não seria nem Matilde nem Madalena. O marido odiava isso. Dizia, o tolo, que já tinha não sei quantas filhas que lhe tinham morrido. E eu tentava explicar-lhe que a sensação para mim era exactamente essa, ou seja, aquele nome era para aquela pessoa... e se aquela pessoa não existiu, então o nome não passaria para outra.
Há já muito tempo que eu gostava imenso de Vicente. A minha colega e amiga J.A.D. tinha um Vicente, que terá agora os seus 13 anos, mais coisa menos coisa. E sempre foi um nome com o qual me identifiquei. E ainda por cima havia ainda poucos (sim, porque parece que esse karma vinha atrás de mim - havia poucos Afonsos quando eu escolhi Afonso para o primogénito, há 11 anos atrás - e depois tornou-se moda; havia poucos Manéis há 8 anos e depois virou moda). Ahhh, e se fosse menina seria Benedita.
Quando engravidei desta vez... confesso que não estava muito feliz a organizar listas e listinhas. Estava ainda meio abananada com o que me estava a acontecer. Mas ainda me lembro de pensar que se fosse menino... bom, se fosse menino dava em maluca... e chamava-lhe Lourenço.
E se fosse menina?
Há muito tempo que um nome me adoçava a boca. Um nome invulgar mas extremamente doce. Soube dele através de uma revista, de há anos e anos que dizia que a neta da Rosa Lobato Faria tinha esse nome. Um nome que confesso que no primeiro embate estranhei, até porque não conhecia mesmo mais ninguém com esse nome... mas que depois foi-se entranhando, como uma segunda pele.
Mas sabia que ia ser um nome polémico.
Entretanto conheci, não pessoalmente, mais umas duas meninas com esse nome. E duas senhoras mais velhas, ambas espanholas.
Por causa das coisas ainda disse ao marido: olha, se é menina acho que podia ser eu a escolher, hein??
Dou-te a hipótese de 3 Cs: Carlota, Caetana e Concha. E Concha ficou!”

Que delícia!
Deixando de lado as relações familiares que serão, decerto, incomparavelmente mais complexas, diria que a Concha será sempre a coqueluche da família: os irmãos mais velhos, com nomes tradicionais e fortes, protegerão a mais nova, cujo nome me faz pensar numa menina delicada, encantadora mas, ao mesmo tempo, aventureira, livre e forte, como o mar. 

16 comentários :

  1. gosto de Concha, é diferente mas tem um sabor intenso :)

    ResponderEliminar
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  3. conheci uma, que agora deverá ter uns 17 anos... eu e a minha mãe gostámos e agora o meu namorado passou a gostar também... pode ser que... :D faz lembrar a Conchita Morales, dos Xutos e Pontapés.

    ResponderEliminar
  4. Não sei bem o que pensar de Concha, não acho feio nem bonito, acho esquisito, acho que é o que acho, talvez se lidasse com uma Concha passasse a gostar do nome, mas á partida, não escolheria de certeza para uma filha, mas entre as 3 hipóteses é a melhor.
    Caetana não consigo imaginar numa criança, soa-me a nome de mulher já de idade, e Carlota só consigo imaginar numa criança, numa mulher não cai muito bem...

    ResponderEliminar
  5. Não desgosto completamente do nome, mas acho demasiado informal - em especial comparando com os nomes sérios e super tradicionais dos irmãos. Tenho dificuldade em imaginar uma Doutora Concha, Presidente Concha, Princesa Concha, etc. Eu teria posto "Constança" no Cartão do Cidadão, just in case...

    Seja como for, tudo o que não seja Maria e Matilde para mim já é um bónus.

    ResponderEliminar
  6. Gostei muito de nos ver aqui.

    Obrigada:)

    E conheço uma Dra Concha médica no Alentejo:)

    ResponderEliminar
  7. Já por aqui comentei, algures, que considero Concha um nome absolutamente precioso, de princesinha mesmo. Penso que consegue ser airoso e retro em simultâneo, tradicional e fresco. Tem também a vantagem de ser um nome com ar de diminutivo e, portanto, muito carinhoso. Sancha e Concha seriam, para mim, um par perfeito.

    ResponderEliminar
  8. Uma pessoa passa uns dias fora e de repente o 4D aparece aqui! (: E sabe que já me tinha interrogado se mais tarde ou mais cedo a Filipa iria lá parar atrás dos nomes (:

    ResponderEliminar
  9. Já agora, a Filipa tem uma excelente memória! :)

    ResponderEliminar
  10. Eu sempre pensei que Concha fosse um "diminutivo" para Constança :) Que giro!
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  11. Alexa, a minha memória de peixinho dourado é épica, mas se estiver relacionado com nomes, eu fixo tudo hihi

    ResponderEliminar
  12. Que lindo post! E muito obrigada pelo link... Fiquei fã!

    (um) beijo de mulata

    ResponderEliminar
  13. Gosto muito de Concha, mesmo que pareça diminutivo. Acho mais suave do que Constança e isso agrada-me.

    ResponderEliminar
  14. Outra Concha:

    cacomae.blogspot.com

    ResponderEliminar
  15. Ana, obrigada, não conhecia a blogger que tem duas "C": Concha & Carlota!

    ResponderEliminar
  16. Para mim, Concha é um diminutivo de Constança e Conchinha é um diminutivo do diminutivo de Constança.

    Nomes compostos:
    Concha do Mar
    Concha Maria
    Concha Matilde
    Joana Concha
    Mariana Concha
    Yara/Iara Concha

    Gémeos:
    Concha & Clara
    Concha & Carminho
    Concha & Leonardo

    ResponderEliminar

Com tantos nomes à escolha, vai mesmo ser apenas Anónimo? :)